terça-feira, 7 de março de 2017

Vida Líquida + Fahrenheit 451


- A escolaridade é abreviada, a disciplina relaxada, as filosofias, as histórias e as línguas são abolidas, gramática e ortografia pouco a pouco negligenciadas e, por fim, quase totalmente ignoradas. A vida é imediata, o emprego é que conta, o prazer está por toda parte depois do trabalho. Por que aprender alguma coisa além de apertar botões, acionar interruptores, ajustar parafusos e porcas?" (Ray Bradbury - Fahrenheit 451)

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Sessão Repeteco #2: Zootopia



Qual era seu desenho preferido na infância?

Em casa, os desenhos mais vistos eram os da Disney; desses, alguns eram os preferidos dos meus pais e do meu irmão. Digo que meus preferidos nunca foram os de princesa. Na realidade, achava-os meio sem sal... com exceção de "A Bela e a Fera" - porque eu achava a Fera fofinha.

Talvez porque a "Fera" da Disney, na verdade, seja uma mistura simpática de animaizinhos peludos.

Mas, de resto, como toda boa criança, morria de vergonha alheia das partes musicais dos desenhos e certamente não nasci querendo ser princesa/esperando o príncipe encantado. Não, meus desenhos preferidos de quando criança eram os de bichos: 101 Dálmatas e Robin Hood. E, claro, aquele desenho com aquela cena clássica que fez uma geração inteira chorar: o Cão e a Raposa.

Pensei que essa fase de preferir animais a gente tivesse passado há muito tempo - afinal, a gente amadurece, faz amigos, aprecia centros urbanos, contempla pessoas indo e vindo, entra para uma faculdade de Humanas e faz um curso sobre pessoas, psiquismo e sociedade...

Ou seja: a gente cresceu e passou a gostar de pessoas. E adeus, filmes de animais.


Então veio Zootopia.

Por sugestão do namorado. Nem botei muita fé.


Agora estou perdidamente apaixonada por esse desenho. 

Ele possui alguns elementos clássicos da cultura estadunidense que já foram disseminados nas repetidas sessões da tarde da vida, como a aspirante a policial que quer fazer do mundo um lugar melhor - mas não deixa de ser lindinho.

Naturalmente, já vi umas quatro vezes e estou caminhando para a quinta. Logo estarei na décima e terei decorado todas as falas conforme manda o figurino.

Como poderia resumir objetivamente o encanto que essa animação representou para mim?

A animação em si é de ótima qualidade, mas isso não é novidade quando se pensa em Pixar e em Disney. Assim, elencarei o que me chamou a atenção nessa fofura.


quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

As Casas em Hogwarts #1




O blog Just Lia publicou, há dois anos, uma série de ilustrações muito bonitas feitas por uma fã de Disney e HP com personagens clássicos utilizando os uniformes das Casas de Hogwarts; por sinal, ela escolheu bem as Casas de cada um. Só me ressenti de a pessoa se lembrar de desenhar A ELSA, de Frozen - filme que foi lançado, tipo, ONTEM - e esquecer a fantástica MULAN e seu parceiro Shang.

O post que estou fazendo hoje é sob demanda de alguns amigos que têm dificuldade em compreender o significado das Casas e com quais se identificam.

Vejo que muita gente, ao ler sobre as Casas - especialmente nos livros - acabam formando uma visão muito parcial de cada uma delas. Basicamente, aderem a uma e desdenham as outras. Tenho uma Casa que é a Casa do meu coração, mas isso nunca me impediu de ver beleza nas outras - e nisso concordo com a professora McGonagall: toda Casa tem uma história honrosa.

E é possível escolher uma Casa e enxergar muita beleza nas outras!

Não quero trazer exatamente uma enciclopédia de cada uma delas - isso vocês podem encontrar na wikipédia - mas uma interpretação mais justa e abrangente de cada uma, algo um pouco além do bem e do mal. Quero mostrar os valores que enxerguei em cada uma e como cada uma tem algo de importante a oferecer ao ser humano. A partir de agora, começo uma série de quatro postagens explicando como enxergo cada Casa, com suas virtudes e suas dificuldades!

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Kindle ou não kindle, eis a questão!



Vamos fazer de conta que este post é o post que eu gostaria de ter lido há um ano e que estou enviando do futuro para o meu eu do passado e totalmente indeciso sobre comprar ou não um e-reader.

Basicamente, discorrerei em oito tópicos sobre minha experiência com o e-reader que acabei adquirindo: o Kindle Paperwhite.